Falta de oxigenação de ideias no futebol brasileiro

Artículo publicado originalmente en el periódico Lance! de Brasil sobre el SportBizLatam en São Paulo de esa semana.

————————

Essa semana foi realizado em São Paulo o maior Congresso de Sport Business da América Latina, o SportBiz Latam.  Com várias edições realizadas em diferentes países de toda a região, o evento sempre convida palestrantes internacionais.

E são eles que apresentam novas visões, belos cases e uma construção de marca que os clubes brasileiros nem sonham.

 

O evento realizado no clube Pinheiros em São Paulo não contou com a presença de nenhum representante de clube brasileiro inscrito. Isso não é novidade, já que dirigentes em suas mais variadas áreas não se interessam em assistir congressos.

Querem sempre palestrar, como se tivessem o que dizer.

 

O único clube representado no evento foi o Flamengo, em um painel sobre sócio torcedor e licenciamento.

 

Como sempre frequentei como palestrante e também espectador de congressos ao logo de duas décadas sempre considerei esse o maior problema do futebol brasileiro.

Mesmo gerindo mal a marca e todo o negócio, acreditam que estão no caminho certo e não necessitam aprender novos conceitos e boas práticas.

 

Os clubes europeus apresentaram uma realidade global, e como chegaram lá e não tinha um diretor de marketing de clube de futebol do Brasil para ouvir e aprender.

Deviam estar muito ocupados negociando algum patrocínio pontual ou espaço no abadá que virou seu uniforme.

 

O fato é que a Indústria Esporte no Brasil para prosperar precisa que seus players atuem como em qualquer mercado, buscando qualificar a sua gestão. Para fazer isso somente com profissionais bem formados e com entendimento do que de mais moderno está sendo feito no mundo.

 

Os gigantes da Europa já faturam R$ 12 bi por ano só em marketing, essa inclusive é a receita mais importante segundo a Deloitte para os 20 times mais ricos do continente.

Hoje os ganhos de marketing são mais importantes que os valores recebidos da TV, outros R$ 11 bi.

 

Enquanto isso os licenciamentos dos clubes brasileiros representam 0,1% dos R$ 70 bilhões movimentados no esporte global, segundo meu último estudo.

 

Se quisermos evoluir teremos que mudar basicamente tudo. Em palestras no evento os diretores de Barcelona e Bayern de Munique, ambos residentes em NY comandam seus escritórios internacionais com 10 profissionais contratados.

Mais que o marketing de muitos clubes no Brasil.

 

Fui responsável em fazer uma palestra sobre o potencial desperdiçado do futebol brasileiro. Sem dúvida o Brasil é o maior potencial desperdiçado do futebol mundial.

O país é o maior mercado de mídia e entretenimento entre os emergentes, conta com 160 milhões de torcedores, 80% da população acompanha futebol na mídia e os clubes poderiam ser potências mercadológicas globais. Mas não são.

 

Muito além da diferença de PIB, o futebol brasileiro parou no tempo em termos de gestão de marca. Enquanto americanos e europeus faturam alto na relação dos clubes, com os fãs e patrocinadores, os times brasileiros continuaram nessa loucura de lotar uniformes, placas e backdrops.

 

O foco nos projetos é outro, muito além da visibilidade. Por conta disso os clubes europeus contam com 40, 50, 60 patrocinadores e os nossos com 3 ou no máximo 4, todos no uniforme.

 

Se quisermos melhorar nossas receitas de marketing no futebol teremos que mudar totalmente a forma como os clubes trabalham suas marcas. As receitas novas virão dessa nova abordagem.

 

Minotauro foi um case

 

O ex-lutador de MMA Minotauro fez uma palestra e contou sobre sua história de superação e também um belo case de como transformar um atleta em um produto de marketing.

Inclusive citou um certo preconceito que o Brasil tem de encarar que um atleta é um produto altamente valioso.

O UFC mudou a forma como se faz marketing na modalidade.

 

 

 

Etiquetas:
1 Comentario
  1. Imagen de perfil de Dallmi
    Dallmi 1 mes atrás

    “Os clubes europeus apresentaram uma realidade global, e como chegaram lá e não tinha um diretor de marketing de clube de futebol do Brasil para ouvir e aprender”

    Hay una tendencia a creer que el modelo Europeo es el que hay que imitar. En Argentina se habló de privatizar algunos clubes, pero para los hinchas es casi un insulto, y en Europa son Sociedades anónimas.

    No habría que pensar una manera de convivir los intereses nacionales con las tendencias mundiales, en vez de darle lugar a las tendencias mundiales en detrimento de la lógica nacional?

Responder

Contactenos

Envíenos su consulta aquí.

Enviando

©2017 SportHub

Inicie sesión con sus credenciales

o    

¿Has olvidado tus datos?

Crear cuenta